21 abril 2008

Recortes de imprensa

"Ser português é não gostar de ser português, é chorar a sorte de ser português. A versão mais sofisticada do ser português faz até gala de lutar de forma, errr, quixotesca contra tudo o que possa fazê-lo sentir-se bem por ser português. Assim se explica que, em sectores influentes dados ao cepticismo pós-moderno, A Naifa não seja a pedra mais preciosa de uma qualquer portugalidade."
Pedro Gonçalves – Time Out Lisboa

“A Naifa é sem dúvida, uma das mais importantes bandas Portuguesas da década, senão a mais importante. Construíram a ponte perfeita entre o pop e popular, entre o fado e a electrónica, tendo a qualidade lírica como um imenso bónus”.
Manuel Halpern – Jornal de Letras

“Não é música para os ouvidos do pessoal que gosta de neoportuguesismo, do fado encaracolado e da poesia das andorinhas. Não. O Bando mistura o fado com sonoridades do outro mundo e a lírica com o mais luso quotidiano; há muito não se via um resultado tão nacional como este”.
Sérgio Coimbra – Meia Hora

“O terceiro álbum d’A Naifa concretiza finalmente as intenções de criação de uma identidade pop de alma fadista que há muito mora na agenda dos desejos de quem faz música em Portugal”.
Nuno Galopim – Sound+Vision

"A Naifa volta a afiar o panorama musical português com mais uma obra subversiva sobre a estética do Fado."
Sara Louraço Vidal – Portal do Fado

“Tanto literária como musicalmente, tudo se joga aqui no plano das citações, das sobreposições e dos contrapontos, mas este lúdico jogo de referências cruzadas e tonalidades contrastantes revela-se fluido e convincente. Extremamente criativos, João Aguardela e Luis Varatojo demonstram, novamente, ter mais ideias por canção do que outros em albums inteiros e conseguem criar um universo musical que só a eles pertence”
Jorge Lima Alves - Expresso

em PDF

3 comentários:

ufehoquei disse...

Sem dívida, a Naifa está em grande!!
Parabéns...
Grande abraço
CAJÉ

Bordello disse...

Essa tirada do Nuno Galopim foi mesmo na mouche. Não o diria melhor, certamente.

su disse...

Sem dúvida, do melhor no panorama português...em termos de sonoridades, envolvências, novidades e experiência musical. Chega-nos à alma o arrepio das notas...

:)